Com apenas 18 anos de idade, Duck-Hee Lee trilha um caminho único no tênis mundial. Tendo terminado 2016 na melhor posição de sua carreira (143 do ranking da ATP), o sul-coreano tem uma desvantagem perante os demais que valorizam ainda mais seus feitos: ele é surdo.

Os pais do jogador foram relutantes em buscar ajuda quando ele era bebê. Apenas aos dois anos de idade Duck-Hee Lee foi ao médico pela primeira vez para checar a audição. E o diagnóstico foi o pior possível: surdez. “Eu fiquei muito surpresa, não conseguia reagir”, disse a mãe do jogador, Mi-Ja Park, ao “New York Times”.

Após o choro pela doença, os pais de Lee buscaram ajuda médica. Inicialmente, colocaram ele em uma escola para surdos, onde o contato com a família era feito apenas nos fins de semana. “Eu queria que ele se relacionasse com gente normal. Quando vi os estudantes lá, eles só sabiam língua de sinais, aí seria difícil arrumar um emprego quando chegar nos 18, 19 anos”, lembrou.

1747402-36946246-2560-1440Lee jamais chegou a aprender a língua de sinais. Ao invés disso, sua mãe usava placas e figuras para ensiná-lo a falar e fazer leitura labial.

Por conta da deficiência, os pais optaram por não incentivar a prática de esportes coletivos. Por isso, Lee aprendeu a atirar com arco, golfe e tiro. Mas foi vendo o primo jogar tênis na infância que cativou Lee, que começou a praticar o esporte.

A caminhada até o nível profissional não foi fácil, já que muita gente acreditava que a surdez pudesse o prejudicar. “Muitos disseram que ele não chegaria lá, que a velocidade da bola é diferente e ele não conseguiria reagir a tempo porque não escuta”, lembrou a mãe.

Segundo estudo realizado pelo Instituto de Saúde dos Estados Unidos, o tempo de reação visual é de 180 a 200 milissegundos, enquanto a reação auditiva é mais rápida, de 140 a 160 segundos. Mas Lee contraria essa lógica.

“Você sabe como um adversário bateu na bola pelo som. Se é chapada, slice…isso é algo que te indica mais do que ver a bola”, disse o ex-número 1 do mundo Andy Roddick.

duckheeleeaustralianopen2015juniorchampionshipsogpd0mzo71ulSegundo Paige Stringer, fundadora da Fundação Global para Crianças com Problemas de Audição, há uma explicação para o sucesso de Lee. “Pessoas que nasceram surdas podem ter um senso de intuição aperfeiçoado no geral e tendem a notar as coisas na visão de forma mais rápida”.

E não é só na audição que Lee quebra tabu. Ele tem apenas 1,75m de altura, considerado baixo para os padrões atuais do tênis. Do Top 50, somente o espanhol David Ferrer tem a mesma altura que o sul-coreano. Somente seis jogadores do Top 50 estão abaixo dos 1,83m.

E Lee ainda é o segundo jogador mais bem ranqueado com 18 ou menos anos, atrás apenas do norte-americano Frances Tiafoe (108).

Além disso, Lee tem contrato assinado com a Hyundai até 2020. Ele nunca disputou um Grand Slam ou ATP 250, mas segue firme na sua escalada ao top 100 com uma final e duas semis em challengers desde o mês de setembro.

Fonte: ESPN