Simage_largeão Bernardo recebe neste sábado (28), uma seletiva de handebol feminino para surdos. Será a primeira seleção brasileira da categoria a ser formada. O Brasil é pioneiro no projeto. Ainda não existe nenhuma seleção feminina handebol para surdos em outros países.

A CBDS (Confederação Brasileira de Desportes dos Surdos), além do Pan Americano de 2016, visa montar equipes no Brasil já projetando a Surdalímpiadas de 2017, na cidade de Samsun, na Turquia, e para o Mundial previamente marcado para Rússia, em 2018. Além disso, os esportes que envolvam surdos não são considerados Paralímpicos.

A seletiva vai contar com a orientação dos professores Anderson Marcondes e Gabriel Citton. O evento vai acontecer em dois lugares distintos no mesmo dia. Pela manhã, a seletiva será no Clube do Mesc – às 9h e às 14h30, no Ginásio do Baetão.

“Começamos esse projeto em Caxias [RS] em 2012. Em 2013, começamos as seletivas masculinas e, em 2014, tivemos a primeira equipe de handebol para surdos”, afirmou Citton. O professor também comentou que no ano passado teve o primeiro sulamericano de handebol para surdos, realizado no Brasil, que sagrou-se campeão jogando contra Uruguai e Equador.

A equipe feminina surgirá de uma demanda, segundo Citton. “Muitas meninas surdas mostraram interesse em jogar handebol após a competição. A maioria das interessadas é de São Paulo.” O treinador contou que, então, fez contato com supervisor de handebol de feminino da Universidade Metodista de São Paulo, Adriano Aparecido dos Santos, auxiliado pela prefeitura de São Bernardo e com Rogério Carreon, diretor de esportes do Mesc, para trazer a peneira para o ABC.

Também houve uma tentativa com supervisor de handebol do A.D. Santo André, Archibald Scott, mas, por problemas de agenda no Ginásio Noêmia Assumpção, não foi possível marcar uma seletiva no local.

Atualmente, o Brasil tem quatro equipes femininas do esporte, duas no Rio Grande do Sul, uma em Santa Catarina e outra em São Paulo para surdos. Sendo que, neste ano, terá o primeiro Campeonato Brasileiro da categoria.

Citton afirmou que durante os jogos, a única diferença na regra das partidas do tradicional handebol para os deficientes auditivos, é que, o juiz quando assinala uma falta, ergue uma bandeira de cor diferente das equipes que estão na disputa. Funciona como se fosse um bandeirinha de futebol, quando levanta para marcar uma irregularidade no campo de ataque do adversário.

O grupo será montado de acordo com o projeto. A cidade onde a equipe brasileira irá treinar ainda não está decidida pela federação.

Segundo o orientador Gabriel Citton, por ter contato com o supervisor do time de handebol da Metodista/São Bernardo, há uma possibilidade de a universidade futuramente ter um time de handebol para surdos. “Ainda não conversamos sobre isso. Mas, depois da escolha das meninas, serão feitas ações para promover o esporte na região e no país.”

O handebol para surdos ainda não tem patrocínios.  “Primeiro, vamos mostrar que a categoria existe e depois buscar recursos para os times e tornarem autossustentáveis”, afirmou o professor. Por exemplo, a própria CBH (Confederação Brasileira de Handedol) ainda não é parceira do projeto da CBDS.

Masculino

Em 2014, a primeira equipe de handebol masculina de surdos do Brasil competiu pelo Mundial da categoria, na Turquia. A seleção brasileira acabou na sexta colocação do torneio. Além do time verde e amarelo, participaram da competição as seleções da Turquia, Rússia, Dinamarca, Hungria, Sérvia e Croácia.

A disciplina durante os jogos fez com que a seleção conquistasse o troféu ‘Fair Play’, por cometer menos infrações que os seus adversários durante o campeonato.

Serviço
Clube Mesc
Endereço: Av. Robert Kennedy, 2.313, Jardim Beatriz – São Bernardo
Data: 28/03/2015
Horário: 9h às 12h

Ginásio Baetão
Endereço: Rua Dona Julia Cesar Ferreira, 270, Baeta Neves – São Bernardo
Data: 28/03/2015
Horário: 14h às 18h

Fonte: http://www.metodista.br/rronline/noticias/2015/03/sao-bernardo-recebe-seletiva-para-a-1a-selecao-de-handebol-feminino-para-surdos-no-mundo

Comentários no Facebook