Mais de 31 mil pessoas visitaram a exposição pernambucana ‘Por Contato’ do projeto FOTOLIBRAS no Museu de Arte do Rio de Janeiro.

Em cartaz por dois meses, a exposição pernambucana ‘Por Contato’ levou ao público carioca, entre os meses de maio e julho, 71 imagens produzidas por artistas pernambucanos surdos, resultado de ações educativas realizadas pelo projeto FOTOLIBRAS, no Recife/PE. Além da exposição, foram possíveis também atividades arte-educativas com funcionários do museu, alunos de escolas públicas e público em geral, com o objetivo de promover a valorização da diversidade, independentemente de características físicas, comunicacionais ou intelectuais.

image (1)

“A exposição pôs em pauta uma série de discussões importantes e atuais como a ideia de colocar em contato duas culturas distintas, a surda e a ouvinte”, explica Eduardo Queiroga, um dos arte-educadores integrante do GEMA, entidade pernambucana focada em atividades para inclusão visual. Segundo Eduardo, a exposição também “buscou incentivar a presença da comunidade surda no circuito de produção cultural, do qual frequentemente é excluída pelo despraparo da sociedade e das próprias instituições de cultura.”

Ao levar para o ambiente do MAR estas questões, um ambiente visitado por um público de mais de 31 mil pessoas, o FotoLibras promoveu uma ampliação de um debate que atravessa toda atuação do projeto, oferecendo novas reflexões por parte dos que fazem o museu e do seu público.

image

A exposição também promoveu o batismo do museu, que até então não tinha um sinal correspondente na língua de sinais. Esse é um importante fato para a inclusão do museu no mundo surdo. “Marcar a história do MAR com um batismo em LIBRAS e proporcionar o acesso de mais surdos a este museu é um grande feito para uma sociedade mais igualitária e entender a função de um museu mais acessível”, explica a produtora executiva da exposição POR CONTATO, Gisele Silgom. “Este é um passo que deve ser difundido por todos espaços culturais e instituições para torná-los acessíveis. É preciso ter as portas abertas para todo e qualquer público e é isso que propomos nesta exposição”, finaliza.

Fonte: Fotolibras