Touria Nouftir Ferreira, de 44 anos, deixou o Marrocos para se casar com Pedro Aparecido Ferreira, 59, que mora em Rio Preto. Há um ano no Brasil, casal pretende fazer cerimônia também no país africano no fim do ano.

O casal Touria e Pedro é um exemplo claro de que o amor não tem barreiras, dificuldades ou até mesmo distância. Os dois são deficientes auditivos e se conheceram pelo Facebook há dois anos. Além da dificuldade na comunicação, eles estavam separados pelo oceano Atlântico.

Touria Nouftir Ferreira tem 44 anos e nasceu em Casablanca, no Marrocos. Resolveu deixar a família para trás, pais e cinco irmãos, depois que conheceu Pedro Aparecido Ferreira, de 59 anos, que mora em São José do Rio Preto (SP), com quem se casou no ano passado. Há mais de um ano no país, o desejo deles é também se casar no país africano.

O casal se conheceu pela rede social e começou a conversar por meio de chamadas de vídeo. “Comecei a gostar dele, eu o achei muito bonito. Ele no começo estranhou o fato de e

u querer conversar com ele. Mas a gente começou a se gostar”, diz a marroquina.

Para eles, a deficiência, a cultura totalmente diferente e a distância não impediram que buscassem um sonho.

“O amor é a gente estar junto sempre, não importa o que acontecer. Eu não quero que ela vá embora nunca”, afirma Pedro.

Viagem escondida
Depois de três meses, Touria resolveu vir para o Brasil conhecer Pedro, onde ficou e se casou com ele. Sem a família saber, Touria desembarcou em Guarulhos em fevereiro de 2017.

“Meus pais não queriam que eu viesse para o Brasil por causa da violência. Os pais não souberam que eu vinha, só descobriram quando já estava no Brasil. Hoje eles estão contentes e aceitam”, diz.

No começo, a língua de sinais e a timidez foram os maiores empecilhos. “No começo a gente se ajudava, porque a língua de sinais é diferente. Então um ensinava ao outro algumas palavras”, afirma Touria.

Casamento
Touria e Pedro resolveram se casar em 2017 até para que a situação da marroquina fosse regularizada no Brasil. O casamento aconteceu em um cartório na cidade e a festa foi realizada em uma escola.

Os dois fazem um curso de Libras (Língua Brasileira de Sinais) na Secretaria dos Direitos para Mulheres, Pessoa com Deficiência, Raça e Etnia de Rio Preto. Os amigos da turma ajudaram nos preparativos.

“A gente gosta muito deles e os alunos do curso de Libras se reuniram. Cada um foi conseguindo alguma coisa, doações, o vestidinho, e ajudamos no casório. A secretaria ajudou na documentação do trabalho”, afirma Claudete Aparecida Bernardino Lima, professora deles no curso de Libras e que ajudou na entrevista ao G1.

Agora o sonho deles é casar em Marrocos, na religião de Touria, o islamismo. A intenção deles é ir no fim do ano para Casablanca, quando Pedro irá conhecer os sogros.

“Eles querem ir muito para Marrocos nas férias dela para poderem casar no ritual do país. E também para os pais de Touria conhecerem o Pedro. Eles ficaram assustados quando souberam que ela ia casar, mas agora estão felizes”, diz Claudete.

Emprego
Pedro é aposentado e Touria, que trabalhava no Marrocos como costureira, conseguiu um emprego em um supermercado de Rio Preto.

Ela começou como empacotadora, mas agora já trabalha na padaria do supermercado. A ajuda na documentação e na busca do emprego veio da Secretaria da Pessoa com Deficiência, pelo programa Emprego Apoiado.

“Não tivemos dificuldade de inserir a Touria no mercado de trabalho. A empresa que ela está tem toda a estrutura, com pessoas que sabem Libras. Tem todo acompanhamento na entrevista, com apoio psicológico até que a pessoa tenha segurança no trabalho, com acompanhamento pré-colocação e durante o trabalho”, afirma Claudete.

Fonte: G1 Globo

Comentários no Facebook