Carateca surdo vai ao Arnold Classic 2015, no RJ: “sonho com o mundial”

339
André Felipe Fonseca é faixa marrom e está na preparação para competição que ocorre de 29 a 31 de maio. Primeiro o carateca disputa a Copa Norte, em Manaus

O lutador de caratê faixa marrom André Felipe Fonseca, 24, se prepara para uma competição importante na carreira. O carateca é surdo e vai para o Rio de Janeiro disputar o Arnold Classic Brasil 2015, que ocorre de 29 a 31 de maio. O evento tem como mentor o ator americano Arnold Schwarzenegger. O atleta irá representar a Liga Roraimense de Karatê Interestilos (LRKI).

André Felipe Fonseca, lutador de Karatê mudo (Foto: Nailson Wapichana)André Felipe é faixa marrom no caratê Interestilos

Antes de ‘encarar o Arnold’ o carateca participa da Copa Norte, em Manaus (AM), no dia 18 de abril, que serve como preparação para o Arnold Classic, assim como garante classificação para o Campeonato Brasileiro em julho, e conta pontos para o ranking da Confederação de Karatê Interestilos do Brasil (CKIB).

Conforme o carateca André Felipe, que se comunicou através de sinais com a mãe, ele está com uma expectativa muito boa para as competições que irá participar. Uma das ambições do lutador é participar do Campeonato Brasileiro e o Mundial. Para isso, Felipe deixa um recado para aquelas pessoas que possuem algum tipo de deficiência.

– Precisa treinar, observar, e cada dia aprender para que no futuro possamos caminhar e fazer uma boa competição. Saber como enganar o adversário e sempre saber como desenvolver, tanto faz ouvinte ou surdo é preciso lutar. A pessoa com deficiência é livre para buscar o que quer. Estou com uma expectativa muito boa para todas as competições e sonho com o mundial e o brasileiro e obter vitórias, que é o mais importante. As pessoas com deficiência precisam treinar e podem conseguir muitas coisas, não precisa ter medo, é importante praticar esporte e aproveitar o que há de bom – afirmou o lutador.

Maria Amélia e André Felipe (Foto: Nailson Wapichana)Comunicação ocorre através de sinais com a mãe

A professora Maria Amélia Firmino, mãe de André, é a principal incentivadora do lutador e enfrentam quase todos os desafios juntos, menos nas lutas. Segundo ela o filho a surpreende pelas conquistas e espera que continue evoluindo e consiga realizar os sonhos.

– O nosso dia a dia é bem corrido, fazemos muitas coisas, mas damos conta de tudo, e superação é o nome que o André deveria ter. Porque é um presente de Deus na minha vida, e a cada dia ele me surpreende, seja na faculdade, no trabalho e em outras coisas. Na hora da luta, não sentimos essa diferença de deficiência, acredito que isso é até uma vantagem para ele, pois ele fica atento e a surdez chega a ser um ponto positivo para ele. Ele é um orgulho para mim pelas conquistas – disse Maria.

Precisa treinar, observar, e cada dia aprender para que no futuro possamos caminhar e fazer uma boa competição. Saber como enganar o adversário e sempre saber como desenvolver, tanto faz ouvinte ou surdo é preciso lutar. A pessoa com deficiência é livre para buscar o que quer.

André Felipe Fonseca

Para o professor, Adauto Andrade, logo quando André começou a treinar a academia não sabia como trabalhar com o atleta por ser surdo, mas que se adaptou, e hoje é um dos melhores lutadores da Liga e sempre se destaca nas competições que participa. Já foi 3º lugar no Campeonato Mundial para Surdos em Margarita, na Venezuela.

– Dentro do Karatê não existe essa linguagem de sinais, mas nós nos adaptamos com isso com a chegada do André. Porque temos essa obrigação de trabalhar a inclusão social. Nós desenvolvemos um excelente trabalho e foi um presente de Deus para todos nós, pois nos ele nos dá muito orgulho e eleva o nome de Roraima para o lugar mais alto do pódio – destacou.

Ainda conforme Andrade, o lutador apesar de ser surdo, não mede esforços quando o assunto é treinos e competições. Para o professor, André Felipe é motivo de orgulho e muita superação. O atleta participa no dia 18 de abril da Copa Norte de Karatê Interestilos que servirá como preparação e para pegar mais ritmo de luta para o Arnold Classic.

Maria Amélia e André Felipe (Foto: Nailson Wapichana)
Maria Amélia acompanha de perto a preparação do filho André Felipe

– O André é impressionante, para para ele não existem limites. Quando luta com pessoas que são ouvintes ele fica sempre entre os melhores, assim como com os não-ouvintes. Ele é um motivo de muita superação de um país que precisa lutar pela inclusão social. Por isso estamos acreditando e muito confiantes que André Felipe estará mais uma vez no pódio, tanto na Copa Norte como no Arnold Classic – finalizou o professor.

Fonte: http://globoesporte.globo.com/rr/noticia/2015/04/lutador-de-carate-surdo-se-prepara-para-o-arnold-classic-2015-no-rj.html