Equipe Amazonense superou os times vindos do Ceará, Brasília, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Conquista nacional é inédita para o Estado, que já tem um vice e uma quarta colocação na mesma competição

As conversas, até mesmo os gritos de alertas, e as orientações dos jogadores convencionais de futsal, a qual estamos acostumados a ver, deram lugar aos gestos, expressões e sinais dos jogadores que estiveram desde sexta-feira (17) até neste domingo (19) na disputa da 8ª Copa Brasil de Futsal para Surdos, realizada na Vila Olímpica de Manaus.

Com cinco estados na disputa, Ceará, Brasília, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, o Amazonas, representado pela Associação dos Surdos de Manaus (Asmam), se sagrou campeão inédito da Copa ao vencer Minas Gerais por 10 a 3, na manhã de ontem, e ficar a frente por maior números de gols que a seleção do Rio Grande do Sul. 13 a 5.

O jogo da equipe da casa foi uma verdadeira apreensão e festa, e o pouco de silêncio que hora e vez tomava conta do espaço foi tomado por gritos da arquibancada vindos de amigos e familiares dos jogadores, com as claras chances desperdiçadas e com os gols do título.

“Sofremos uma baixa, há uns dois meses, com um jogador nosso que faleceu de acidente de moto, mas estamos alegres pela conquista”, disse o treinador Roney Costa, quem em 2013 foi segundo lugar na Copa realizada no Ceará e quarto colocado em 2014 em Natal-RN.

Roney também é o único da equipe que não possui surdez. “Foi um pouco difícil adaptação, mas com o tempo as coisas mudam”, explicou o comandante que já está há três anos com a equipe e é pai do capitão da seleção.

Além do título, a Asman foi à única equipe a ter o melhor goleiro e o artilheiro da competição com 12 gols. “Fomos muito unidos, foi muito bacana ser campeão. É uma emoção muito grande ver a torcida nos apoiando”, disse o artilheiro Wesley.

O presidente da Confederação Brasileira de Desportos de Surdos (Cbdfs),Gustavo Perazzolo, destacou a integração do evento. “De uma maneira geral, a competição serviu como uma grande ferramenta de integração entre os deficientes auditivos e a população em geral. Quem assistiu, gostou do nível dos jogos”, destacou.

Familia-jogador_ACRIMA20150719_0027_5Família é a base

Como qualquer outro esporte ou situação, a família é à base de tudo. Ainda mais para os jogadores da Asman que tiveram por perto os familiares para darem total apoio, após dois anos de disputas longe de casa, nos estados do Ceará e Rio Grande do Norte.

Uma das famílias mais agitadas, do início ao fim da partida, foi a do jogador Tiago, que não parou de incentivar o atleta.

“É uma emoção muito grande, nós não parávamos de incentivar. É muito emocionante”, disse o pai do jogador Manoel Neto, acompanhando da esposa Gecineidy Guimarães. “Sem comparação. Estou muito feliz e muito orgulhosa”, disse a mãe pedindo mais apoio para o esporte. “Só queremos que eles tenham mais apoio para irem mais longe”, afirmou.

Surdo de nascença, motivada por problemas na gravidez, Tiago não quer se limitar somente ao primeiro título. “Estou muito feliz por ser campeão e agora é treinar mais ainda, bastante, para que no ano que vem sejamos campeões em Minas Gerais”, declarou o jogador.

Fonte: A Crítica